quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Mais Um Querendo a "Regulação da Mídia"

Pelo visto, no “governo silencioso” de Dilma Rousseff, eu diria “quase clandestino”, os escalões intermediários e que vão falar pelos cotovelos - sobretudo, vão pensar pelos cotovelos.

Lembram-se de Márcio Pochmann, o presidente do Ipea (Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas)? É aquele rapaz que se tornou notável não tanto por seu pensamento econômico, mas por usar umas camisas com umas golas à moda chinesa, à Mao Tse-Tung. Na China, elas já saíram de moda, junto com… Mao Tse-Tung. Mas Pochmann segue fiel ao estilo.

Pois bem. Ele participou nesta terça do lançamento do Panorama da Comunicação e das Telecomunicações no Brasil. Seja lá o que for isso, foi organizado pelo Ipea e pela Federação Brasileira das Associações Científicas e Acadêmicas de Comunicação (Socicom). Oi, muito prazer, Socicom!!! Somos informados, numa única tacada, não só da existência de várias “associações científicas e acadêmicas de comunicação” como da existência de uma federação que as reúne. O Brasil deve ser o país do mundo com o maior número de desocupados dispostos a se reunir em associações disso e daquilo. Mas sigamos.

No tal lançamento, o presidente do Ipea - cujo pensamento econômico é um dos segredos mais bem-guardados da República - defendeu a “democratização” do setor de comunicação. Certo! Eu sou a favor de democratizações. Até da democratização da vergonha na cara. Quem pode ser contra? A gente toma certos cuidados, claro. Vocês sabem: até Hitler era a favor da democratização da Alemanha e defendia que os meios de comunicação só dissessem a verdade… Há um discurso histórico de Goebbels a respeito. Mas volto ao ponto.

Ao defender a “democratização”, Pochmann, o das golas chinesas, cujo pensamento econômico é um arcano a ser decifrado, flertou com a criação do Conselho Federal de Jornalismo, lamentando que não se tenha encontrado a “convergência” necessária. Quem disse que não? Os democratas do país convergiram, sim: o conselho seria censura. E ponto.

Quando as autoridades começam a falar aquela língua lassa, elástica, imprecisa, de complementos verbais incapturáveis, cuide-se, leitor! Segundo Pochmann, hoje, “há a necessidade muito maior que no passado de haver regulação [da comunicação] com o objetivo de conseguir condições isonômicas de competição”. Sei… Disse mais: “Como é um setor que tem forte presença do capital externo, é importante reconhecer a necessidade de constituir espaços para o capital nacional. É um setor estratégico, e a presença de grandes complexos estrangeiros pode, de certa maneira, impedir [a atuação de] países que hoje vêm ganhando maior responsabilidade na economia mundial”. Não entendi nada! Acho que ninguém entendeu. Será que deveríamos abrir facilidades especiais para a Índia, a Rússia e a China atuar no país? Sei lá eu.

A impressão que eu tenho - ou melhor: a certeza que eu tenho - é que o debate sobre a regulação da mídia pretende abandonar a seara ideológica onde a havia jogado o MR-8 - refiro-me a Franklin Martins, ex-ministro da Supressão da Verdade - para assumir uma roupagem técnica, tecnocrática até. Mas tenho pra mim que o objetivo segue sendo o mesmo.

As ideias de Pochmann também têm uma gola chinesa.

Por Reinaldo Azevedo

2 comentários:

Anônimo disse...

Hey There. I found your blog using msn. This is a very well written article. I will be sure to bookmark it and come back to read more of your useful information. Thanks for the post. I'll definitely return.

julio cesar disse...

realizações do comunismo pelo mundo
1)estupro de 5.000.000 de mulheres pelos comunas(comunistas)
2)assassinato de 100.000.000 de pessoas pelos comunistas
só isso é o suficiente para mostrar que comunismo não presta